Passeio á Povoa para ver as sereias.

Próxima saída domingo 26 de março pelas 8,30 na Paluse,

domingo, 31 de janeiro de 2010

PISÕES, COZIDO E NÚPCIAS...

Este passeio foi programado na semana anterior à sua realização... Estávamos a chegar de mais um passeio domingueiro quando lancei o repto ao Batedor que de imediato anuiu à ideia. Tínhamos um pequeno problema... o nosso prezado Wolf, nos próximos tempos, não pode "fugir" do trabalho ao sábado. No entanto ele entendeu a situação dizendo " - Há mais sábados ao longo do ano!...". E assim ficou aí mesmo decidido a próxima saída.
Os BiKenaTuRas chegaram à hora marcada, 8h15 na sede, e arrancámos para os Pisões. Passámos em Guimarães para apanhar o nosso Ninja e partir daí  só parámos em Morgade. Chegados a essa freguesia estacionamos, a carrinha e o carro, em frente ao restaurante "Pinto", onde íamos ter um copioso almoço, e descarregámos as nossas biclas. 


Entrámos nesse restaurante para reservar mesa e para tomar a tão indispensável bica. Custou-nos imenso sair desse local visto que a lareira "carburava" à perfeição. Mal saímos do "Pinto" ouvi dizer que o almoço estava marcado para às 13h... Fiquei logo um pouco desanimado visto que andar 4 horas de carro para rolar 1h54m na bicla para mim faz pouco sentido...mas enfim como diz o povo " mais vale pouco do que nada"...Ora sinceramente sempre pensei que íamos almoçar por volta das 14 e tal...Registado este desabafo retomemos o relato. 
Antes de montar as nossas cavalgaduras vestímo-nos a rigor principalmente o Ninja que o parecia mesmo (daí o seu nome de "guerra").


Iniciámos a etapa pela estrada onde tivemos o prazer de passar entre "águas"  e admirar as belas "postas" barrosãs. O nosso Wolf ao ver estas fotos já deve estar a lamber os lábios ao imaginar um "bife" daqueles no seu prato quando fizermos de novo este passeio.



Chegámos ao cruzamento com a EN103. Se virássemos à direita iríamos para Chaves e se virássemos à esquerda seguiríamos para Montalegre. Nós, para contrariar, fomos em frente em direcção à Aldeia Nova do Barroso que dá acesso a Montalegre mas pelos campos e montes. Comprovámos que de facto o nosso país é fértil em nomes bem engraçados e sugestivos...que tal este " Lama da Missa". 




A partir daqui é que o verdadeiro passeio começou. A paisagem era deslumbrante e encantadora. O estradão inicial era um pouco duro visto que saltava muito devido aos rodados dos tractores esculpidos no solo. Quando não era rijo era lamacento, devido à precipitação ocorrida ao longo da semana, travando o andamento das nossas "rolantes". 


Na paleta do panorama estavam o verde, castanho, amarelo, laranja e por vezes lilás das giestas, urzes e carquejas...lindíssimo!


Passámos por dois ribeiros extraordinários num dos quais o Quercus Man fazendo mal a travagem foi cumprimentar as trutas ( estou a brincar!), não só pela transparência da água como pelo seu deslizar sussurrado entre rochas. Igualmente as suas margens pareciam terrenos de golf para os bovinos que por aí pastavam. Eu que não aprecio a pesca até era capaz de pegar numa cana, no Verão, e deitar-me na relva fazendo de conta que estaria a pescar. Pudemos admirar umas árvores, talvez carvalhos?, cobertas com uma espécie de "algodão esverdeado" bem peculiar...o que será? 


Os montes desfilavam perante os nossos olhos atónitos para com a beleza reflectida nos seus mantos coloridos. Saboreando cada centímetro lá chegámos à aldeia de Medeiros onde as construções são típicas da região, ou seja, em pedra. Aqui tivemos o primeiro contacto com os "amigos" canídeos...eram pastores Alemães...mas só ladravam...ainda bem! No cimo da aldeia a vista sobre a albufeira era tentadora... então... clic! lá tirámos a foto de "família". 

Continuámos a nossa passeata passando da terra para o alcatrão até à famosa Rotunda do Agricultor alusiva à deliciosa batata de Montalegre.  Repare o leitor que o homem-estátua cava num relvado e a mulher-estátua semeia num relvado...em terra, ou imitação, não seria melhor? Nesta rotunda já aparecia,  nos postes de iluminação, a informação sobre o famoso "cozido à Barrosã" com a não menos famosa batata de Montalegre. 


Esta observação despertou a ansiedade, do Tenor, de chegar a tempo ao restaurante...          "- Acho melhor irmos para trás porque senão não vamos chegar à 1 hora!"...Felizmente o nosso Batedor não ouviu, ainda bem, as recomendações do Tenor e ao sair da rotunda virou à direita iniciando uma longa e duríssima subida, num estradão, que nos ia levar ao Miradouro da Senhora das Treburas.


Aí o lanche foi acompanhado com a espantosa vista sobre a Albufeira do Alto Rabagão (Pisões). A luminosidade era incrível!...Os raios solares furavam as nuvens projectando-se em forma circular nos montes como holofotes seguindo os artistas circenses. Estão agora a perceber porque é que eu disse que ainda bem que o Batedor não ouviu o Tenor... PERDER ESTE MAGNÍFICO CENÁRIO!!!!! SERIA IMPERDOÁVEL!!!...


Mas continuemos a narração. Restauradas as forças chegou o momento mais "radical" do passeio...TBCAD (para quem não sabe é - Transporte de Bicicleta Com Apoio Dorsal)...O único que conseguiu descer o monte, em cima da "burra", foi o nosso Ninja


Finda esta pequena escapadela ao mundo dos "carregadores" rolámos a grande velocidade por um estradão que nos ia levar até Castanheira de Chã. Este percurso é maioritariamente florestal, atravessando manchas de carvalhal (com exemplares de azevinho e lamagueira), e extensas zonas de bosques plantados. Neste espaço dominam as árvores exóticas resinosas (pinheiros e cedros). Aqui também existem aves florestais tais como o açor, o gavião, o pica-pau, uma enorme  diversidade de pequenos pássaros e mamíferos como o corço, o lobo, a geneta e o esquilo... Nas zonas de matos habitam várias espécies de répteis como o sardão e a cobra rateira, assim como aves de rapina que deles se alimentam, como é o caso da águia-da-asa redonda e a águia-cobreira...Gostaríamos de ter visto pelo menos um mas não foi possível talvez para a próxima! 


Pomo-nos num ápice de Castanheira de Chã à EN 103. Já na EN 103 passámos novamente pela placa informativa da Porta Parque Nacional Peneda Gerês que ficava a poucos quilómetros do  restaurante "Pinto" para degustar o tão desejado Cozido à Barrosã. 


A cerca de 500 metros, restaurante à vista, já não me lembro quem disse " - O último paga a conta..." e de imediato todos participaram num sprint colectivo... como não se conseguiu atribuir o tão indesejado prémio, mesmo após visionamento da filmagem e foto, decidimos que cada um pagaria a sua parte...Enfim! restaurante sweet restaurante...
Após uma pequena "limpeza" pessoal sentámo-nos à mesa para o comes e bebes. Entre o rescaldo da jornada, anedotas e risos comemos as entradas que foram excelentes sobretudo as alheiras. Quando chegou o cozido à Barrosã os olhos dos BiKeNaTuRaS cintilavam...


Findo este festim metemo-nos nos veículos e fizemos o trajecto delineado inicialmente, de BTT, pelo Batedor mas que abortou após a marcação do almoço para às 13h... Assim atravessámos a barragem dos Pisões de popó. 



O nosso Batedor além de o ser também é um excelente "Roteiro Gastronómico"...Levou-nos ao restaurante "Nariz do Mundo". Infelizmente não fomos atendidos porque já pairava, no restaurante, um ar típico do bafo do Baco. Aqui os  convivas ao ver-nos entrar mostravam uma careta de espanto, ainda tínhamos os colãs vestidos, até que um perguntou ao Ninja "- Vocês vêm de onde?" ao que ele respondeu "- Vimos de umas núpcias de Gays!" O "curioso" não sabia se havia de rir ou... Uma coisa é certa esta foi de mestre!...Cuidado com o Ninja!  Ele é terrível!...


Nada satisfeito por ver gorado o seu intento o Batedor levou as tropas ao Café Nelbino, Várzea Cova-Cabeceiras de Basto, para terminar da melhor forma a passeata...Sopas de Vinho!!!... Isto não vos faz lembrar outra epopeia?...Lembram-se? Pois é! "Os 7 Magníficos no Gerês e não só..."... Só que desta vez as sopas eram com biscoitos de champanhe.



E pronto, mais uma bela jornada passada numa das mais belas regiões do nosso grandioso Portugal. Mais uma vez reitero o sentimento de "saber a pouco..." mas estou convencido que para a próxima vez faremos mais minutos de bicla do que em carro.
Para findar não posso de deixar de escrever umas palavras ao nosso estimado Wolf ... Caro amigo, como o disseste e bem, há muitos sábados ao longo do ano e um grupo coeso também se nota na falta de um ou mais elementos...porque amanhã lá estaremos para dar a voltinha do domingo contigo.
O Scriba
BiKeNaTuRaS:
,,,,e